blogdejjpazevedo

BlogdeJJPAzevedo.com

Escrito por José Joaquim

1- O FUTEBOL FOI CONDENADO 

* A Justiça norte-americana deu uma lição aos setores investigativos do Brasil, quando os jurados da Corte de Brooklin em New York, consideraram culpado o ex-presidente do Circo, Jose Maria Marin, em seis entre as sete denúncias que foram formuladas pela Promotoria local.

Entre as quais: conspiração para organização criminosa, fraude financeira, nas Copas América, Libertadores e do Brasil, lavagem de dinheiro nas Copas América e Libertadores. 

A Juíza Pamela Chen não atendeu o pedido dos advogados de defesa, para que esse continuasse no sistema domiciliar, e determinou a sua prisão imediata como garantia para uma possível fuga.

Nos Estados Unidos não tem nenhuma autoridade para liberar presos por crimes de uma organização criminosa, e em especial os ricos.

A lei é para todos.

Para nós tudo normal, desde que era uma morte anunciada há muito tempo, mas o que devemos cobrar é uma posição dos responsáveis pela Receita Federal, Procuradoria da República, Policia Federal sob a anuência da Justiça Federal, para que possam abrir um frente ampla para investigar à fundo o futebol brasileiro em todos os segmentos.

Terão que ser investigados os dirigentes, contratos de televisão dos diversos campeonatos, desde que essa condenação atingiu em cheio os métodos de gestão de nosso futebol.

Marin não é apenas uma figura isolada no contexto, desde que foi condenado por participar de uma organização criminosa, que deixa bem claro a existência de outros componentes.

Os norte-americanos abriram o caminho, resta esse ser perseguido pelos órgãos de investigação brasileiros.

Nada a comemorar pela condenação de Marin, que deverá pegar 120 anos de cadeia conforme a legislação americana, e sim exigir uma ampla investigação do Brasil, para que possa mandar para o presidio todos aqueles que se locupletaram do dinheiro do futebol, que tanta falta faz aos clubes.

Na realidade o futebol brasileiro é que foi condenado.  

Chegou a hora dos clubes acovardados acordarem.

NOTA 2- ¨EL CLÁSSICO¨

* Com o futebol brasileiro de férias, só resta aos que gostam desse esporte assistirem os jogos dos campeonatos europeus.

Nesse sábado no estádio Santiago Bernabeu teremos a realização do ¨El Clássico¨, o encontro que é o mais esperado do futebol mundial, envolvendo o Real Madrid e o Barcelona.

Os dois maiores atletas do mundo, Lionel Messi e Cristiano Ronaldo irão se enfrentar no que a imprensa da Espanha chama do jogo mais caro do planeta, por conta dos valores dos dois times, que somados totalizam 983 milhões de euros, que corresponde a R$ 3,8 bilhões.

Para o time merengue uma vitória é fundamental, desde que está na 4ª colocação com 31 pontos, um jogo a menos, enquanto o time catalão lidera com 42 pontos, ou seja 11 de diferença.

Um jogo que vale a pena ser assistido, na certeza de que teremos um bom futebol.

Uma pergunta paira no ar:

Será que os atletas do Barcelona irão aplaudir o time do Real que foi campeão do Mundial de clubes, como manda a tradição?

Pelo andar da carruagem certamente isso não irá acontecer.

NOTA 3- CAMPEÕES E DESEMPREGADOS

* Como poderíamos imaginar que treinadores que eram procurados à peso de ouro, com títulos do Brasileirão no século XXI, se encontrem hoje fora do mercado do futebol.

Esse é o caso de Marcelo Oliveira, Vanderlei Luxemburgo e Cuca, três que estão entre os mais importantes do setor. 

Entre os onze técnicos que conquistaram esse troféu nesse período, apenas dois estarão comandando times na temporada de 2018.

Abel Braga no Fluminense e Fábio Carille no Corinthians.

Tite está à frente da seleção, Muricy Ramalho como comentarista do Sport TV, Antônio Lopes era executivo do Botafogo há três anos e foi demitido na semana passada, e Emerson Leão aposentou-se.

Outros cinco estão literalmente desempregados: Andrade, Geninho, Marcelo Oliveira, Cuca e Vanderlei Luxembugo.

Esse último há pouco tempo era disputado à peso de ouro.

São coisas da vida e do futebol.

NOTA 4- O ALEX FERGUSON DO FUTEBOL BRASILEIRO

* O Atlético-PR é inovador, e a quase concretizada contratação de Seedorf para o comando da equipe é mais uma tentativa de inovar no futebol brasileiro.

O holandês que só falta colocar a sua assinatura no papel para assumir o clube, chega não só para ser o treinador do rubro-negro paranaense, mas também para ser o seu manager.

Em outras palavras ele será o responsável por coordenar todas as categorias do Furacão, desde a sua base até a principal, além de comandar o time titular dentro do campo.

Um fato inédito em nosso futebol.

Seedorf veio à Curitiba a fim de analisar a situação do Atlético-PR, desde que não tinha pretensões de trabalhar em um clube brasileiro, por conta dos R$ 4 milhões que tem para receber do Botafogo.

Mas a proposta atleticana o seduziu.

Segundo Mario Celso Petraglia, presidente do Conselho, e que hoje dirige o setor de futebol do clube, o holandês será  transformado em um novo Alex Ferguson, ex-treinador do Manchester United, da Inglaterra, que ficou 26 anos no cargo no clube, e aos poucos foi ficando menos tempo no dia a dia e mais na coordenação do time.

Seedorf terá a missão de olhar o mercado, buscar novas opções para o elenco e fazer a integração da base com o profissional, revelando jovens talentos.

Enquanto isso, a comissão técnica com os auxiliares, é que será a responsável por comandar os treinos, obedecendo a metodologia do manager do clube, que comandará o time durante os jogos.

Será que a cultura brasileira irá absorver algo como isso?

Só o tempo dirá.

NOTA 5- QUEDA E COICE JUNTOS

* O cavaleiro cai do cavalo e após a queda leva um coice.

É algo que pode acontecer, e no futebol assistimos fatos como esse.

O Atlético-MG que tinha um dos elencos mais caros do país, andou comprando jogadores brasileiros que estavam no exterior, e no ano de 2014 contratou Douglas Santos e Maicossuel, que atuavam no futebol italiano na Udinese. 

Para trazê-los foi fácil.

O lateral que foi do Náutico veio por empréstimo, e logo após o clube o comprou de forma definitiva, no valor de 3 milhões de euros, descontando os 100 mil euros pagos pelo empréstimo.

O Galo comprou e não pagou um único euro pela sua contratação.

Além disso, o meia Maicosuel que foi negociado com o São Paulo em 2017, foi comprado pelo Atlético-MG por 3,6 milhões de euros, e desse total o clube pagou 600 mil, e deu mais um calote.

A Udinese ingressou com uma reclamação na FIFA que intimou o clube brasileiro para que desse uma solução ao problema.

Um dos seus diretores está em Zurique tentando uma composição para pagar os débitos.

Tal fato mostra como anda o futebol brasileiro, que compra os direitos de jogadores, mesmo sabendo que no futuro não terão como paga-los.

É lamentável.

NOTA 6- PERGUNTAR NÃO OFENDE

* O São Paulo afirma que já acertou tudo com Diego Sousa e só falta a definição do Sport.

O empresário do atleta, Eduardo Uran, deixou muito claro que o seu representado concordou com a proposta oferecida pelo tricolor

Por outro lado os cartolas do Sport afirmam que não receberam nenhuma proposta do time paulista, o que não é verdade, desde que Rodrigo Barros, filho do presidente e diretor do clube, conversou com os dirigentes do clube paulista sobre o tema.

No dia de ontem mais uma novidade, de que o rubro-negro poderá facilitar a ida de Diego Souza para o São Paulo caso esse mostre o devido interesse.

Perguntar não ofende, e então vamos fazê-lo:

O jogador nessa temporada procedeu com o mesmo comportamento com relação ao Palmeiras, e depois de idas e vindas continuou na Ilha do Retiro sem jogar um bom futebol.

Será prudente continuar com esse por mais um ano, sem a vontade que é necessária para o time, ou melhor fazer qualquer negócio, por não ter esse peso tão alto na folha salarial que sem duvida será um bom ganho?

Que os cartolas possam responder.

Escrito por José Joaquim

¨O tempo não comprou passagem de volta. Tenho lembranças e não saudades¨.

A frase é de Mario Lago, ator, compositor, escritor, e que servirá de mote para esse artigo.

Na realidade saudades servem para algo marcante que deixou felicidade.

Uma atitude, um personagem, uma conquista, um ato, fazem parte do saudosismo.

No futebol temos saudades dos velhos tempos, dos bons dirigentes, dos craques que desfilavam nos gramados, de um bom jornalismo.

Hoje temos apenas lembranças que não trazem momentos felizes.

O ano de 1917 deveria ser apagado da memória em todos os seus segmentos, em especial do futebol, mas certamente irá deixar tristes lembranças, saudades jamais.

O combate a corrupção no Brasil vai deixar saudades e não apenas a lembrança, essa ficará para aqueles que tentam derruba-lo.

Figuras como essas não entrarão nos livros de história.

Não poderíamos ter saudades do futebol pernambucano, centenário, que foi levado ao fundo do poço por uma cartolagem despreparada. 

As lembranças de Náutico e Santa Cruz sendo rebaixados para a Terceira Divisão Nacional, obviamente não poderiam deixar saudades.

As lembranças do Sport gastando milhões de reais, e no final sem ganhar nada, desde que o título estadual além de não ter expressão, continua em aberto por conta do arbitro de vídeo amigo, nunca poderiam ser transformadas em saudades.

A sua luta contra o rebaixamento deixou apenas uma lembrança que mostrou a incompetência de seus dirigentes.

Quando pensamos nos clubes do interior, nada que possa nos deixar o sentimento da saudade, desde que as lembranças são negativas, inclusive para o próprio Salgueiro que vislumbrou, e foi tragado pelas mesmices patológicas.

No futebol nacional as saudades ficam para Giulite Coutinho, o dirigente mais sério da antiga Confederação Brasileira de Desportos, hoje transformada em Circo do Futebol.

Iremos tem lembranças infelizes dos seus sucessores, começando com Otávio Pinto Guimarães, que era honesto, mas não mandava, até o atual cartola, Marco Polo Del Nero, fugitivo, e hoje suspenso pela FIFA sobre suspeita de corrupção.

São tristes lembranças.

Mais um ano está se encerrando, com poucas saudades, e muitas lembranças que não devem ser esquecidas, para que possam servir para uma luta inglória de transformar o país, em especial o futebol em algo que traga felicidade, e que possa deixar saudades, não os momentos tristes que vivenciamos.

Mario Lago tinha razão quando nos deixou essa frase antológica, e figuras como essa nos deixam saudades, não apenas lembranças. 

Escrito por José Joaquim

Os dirigentes do futebol brasileiro não pouparam os seus recursos em 2017, com contratações e salários vultosos.

Todos tiveram um sonho alentador que estavam milionários, quando a realidade era bem outra.

Estavam iniciando uma nova bolha financeira por conta das luvas recebidas no ano de 2016 pela renovação dos contratos dos direitos de transmissão de 2019 à 2024, e que certamente iria estourar.

Não demorou, e a temporada de 2018 irá sentir o reflexo do estouro que aconteceu no final de 2017.

O sonho dos milhões acabou.

De acordo com o levantamento do consultor Amir Somoggi, R$ 1 bilhão extra ingressou nos cofres dos clubes, que torraram de forma irresponsável, desde que luvas representam de um certo modo uma antecipação de receitas, e não poderiam ter sido gastas com tanta avidez. 

A realidade está sendo sentida na proximidade com o ano de 2018, com raras exceções, os clubes estão tentando negociações através de trocas, ou de atletas que estão encerrando os seus contratos.

As vacas gordas comeram toda a ração que estava no celeiro, e esse secou para a próxima temporada. Algo que para nós não representa nenhuma novidade em relação a cartolagem nacional.

Obvio que a redução de R$ 1 bilhão nos diversos orçamentos iria pesar no planejamento e isso já começa a se destacar, inclusive com a maioria dos clubes apresentando os prejuízos em seus balancetes financeiros.

Todos pensaram que estavam ricos com as luvas recebidas, que na verdade era nada mais, nada menos do que uma mera ilusão, desde que recursos fora dos orçamentos teriam que ser bem aplicados, com retorno previsto.

Por conta dessa injeção, os vinte maiores clubes brasileiros tiveram em 2016 uma receita de R$ 5,40 bilhões, que segundo o consultor tais números representaram um aumento em relação ao ano anterior de 30,2%, e com uma séria dependência  através da participação dos direitos de transmissão que representou 51% do seu total, fato esse jamais acontecido.

Foi uma farra e folia com um dinheiro fictício, que era e não era, e o final de 2017 será a demonstração mais uma vez da ausência de planejamento dos clubes, que irão fechar os seus balanços com prejuízos, mostrando a incompetência de suas gestões, mesmo com alguns negociando jogadores para o exterior. 

O ano de 2018 será o das vacas magras, e contratos alucinantes, feitos por alucinados sem visão serão raros, a não ser que tenha uma Crefisa como suporte.

Mais uma vez vamos repetir o que sempre estamos afirmando, ou seja, o futebol não é para amadores e sim para profissionais sérios e competentes. 

Escrito por José Joaquim

NOTA 1- O FUTEBOL BRASILEIRO

* O jornalista Claudemir Gomes, comentarista da Rádio Clube, nos remeteu os resultados da primeira avaliação com relação as gestões dos clubes pelo programa ¨Gestão de Campeão¨, da Ambev.

Os dados mostram o real futebol Brasileiro:

* Quase 80% dos diretores de futebol não acompanham os treinos dos times profissionais e de base;

* 71% não tem metas de gestão formalmente documentadas;

* Nenhum clube faz acompanhamento formal das metas estipuladas;

* 86% não tem estruturas de cargos e salários definidos;

* 93% não tem regras para despesas de viagem, hospedagem e alimentação;

* 39% não fazem o controle de despesas de água e energia elétrica;

* 50% dos clubes não tem política de benefícios (vale refeição, plano de saúde, etc,  para funcionários;

* Nenhum clube faz pesquisa de satisfação entre seus funcionários;

* 64% dos clubes não fazem planejamento anual de marketing com metas definidas;

* 57% dos clubes não acompanham o desempenho escolar aos seus atletas de base,

* 93% dos clubes não dispõem de dados demográficos detalhados sobre seus sócios-torcedores.

Dura realidade.

NOTA 2- A MESMA PRAÇA, O MESMO BANCO E O MESMO JARDIM

* O futebol brasileiro não se renova.

Vive da mesmice há vários anos.

Esse continua na mesma praça, no mesmo banco e no mesmo jardim.

Não teve o menor cuidado de reforma-la, deixaram-na como estava desde a sua inauguração.

Está maltratada. 

Após o sorteio dos Grupos da Copa Libertadores, ouvimos de alguns cartolas brasileiros a repetição das mesmas palavras de anos atrás.

¨Vamos lutar para sermos campeões¨, ¨Espero tranquilo, faremos a nossa parte¨, ¨No fim só fica um, espero que seja o Flamengo¨.

Frases parecidas com as que saem das bocas dos jogadores em suas entrevistas coletivas.

Por outro lado, as nossas mídias esportivas também entraram no mesmo ritmo da cartolagem nacional, repetindo o que já falaram em outros sorteios.

¨Clube A está em um grupo forte¨, ¨clube B terá mais facilidades¨, ¨grupo da morte¨, entre outras coisas.

Na verdade, todos esqueceram de falar com os russos, que serão os adversários.

A Copa Libertadores como todas as competições de pontos corridos tem as suas surpresas, e quantas vezes assistimos um clube de menor porte derrubar um chamado grande.

Será que esses analistas estão acompanhando de perto as situações dos outros times?

O Corinthians há anos atrás foi eliminado pelo Guarani do Paraguai, o Palmeiras pelo Jorge Wilstermann da Bolívia, e tantos outros casos que aconteceram.

Por conta disso uma previsão para o futuro certamente é difícil, e  essa só poderá acontecer após o devido acompanhamento. 

O mata-mata é como um animal selvagem esperando para dar o bote em sua presa, e na última quarta-feira tivemos um bom exemplo quando um time da Segunda Divisão da Inglaterra, o Bristol City, derrubou o poderoso Manchester United da Copa da Liga Inglesa. 

Todo o cuidado é pouco na antecipação de previsões. 

NOTA 3- NEYMAR E A IMPRENSA

* É algo de anormal o marketing de Neymar.

Tudo que esse atleta faz, inclusive muitas besteiras são divulgadas.

Basta uma leitura nos diversos portais de noticias, e nos periódicos brasileiros, para entendermos a influência dos marqueteiros.

Assistimos na última quarta-feira o jogo entre o PSG e o Caen, que terminou com a vitória do primeiro por 3x1, quando o brasileiro teve uma atuação discreta e pouco apareceu.

O esforço do narrador da ESPN Everaldo Marques, que é excelente nos esportes norte-americanos, era constrangedor, na tentativa de conseguir algo favorável a Neymar.

O comentarista da emissora, em um momento da partida elogiou as participações de Mbappé e Cavani, e não falou no brasileiro, sentiu a falha, e colocou o seu nome por uma assistência.

Ao que parece existe uma orientação nos meios de comunicação de enaltecer o jogador, que mesmo sem apresentar um bom futebol tem que ser louvado.

Neymar é um bom atleta, mas está deixando passar o bonde da história com o seu comportamento, e está sendo superado por um jovem francês de 19 anos, Mbappé, que será sem duvidas em pouco tempo o melhor jogador do mundo.

Está formando com Cavani uma grande parceria.

Quando o brasileiro jogar bem que seja devidamente elogiado, mas promove-lo sem apresentar algo de bom parece coisa programada para a garantia da audiência.

NOTA 4- UM CALENDÁRIO RASGADO

* O Calendário do futebol brasileiro divulgado pelo Circo, além de encurtar a pré-temporada que era de trinta dias, e passou para 12 ou 13 dias no máximo, na próxima temporada, estará sendo rasgado por algumas federações com relação as datas para o inicio dos estaduais, que estavam programados por esse para o dia 17 de janeiro.

Por incrível que pareça a Federação do Rio de Janeiro já começou o campeonato de 2018, em pleno final de 2017, com jogos seletivos que irão apontar dois clubes para a segunda fase da competição.

Nada mais, nada menos do que uma morte anunciada para diversos participantes, que ficarão sem calendário.

Na Paraíba, a competição começara no dia 7, no Ceará no dia 10, com Ceará e Fortaleza iniciando no dia 21 e 22, desde esses irão cumprir o prazo da pré-temporada determinado pelo Circo.

Nas federações do Rio Grande do Norte e Sergipe, os estaduais serão iniciados no dia 13, assim como no Pará.

As demais  obedecerão a data definida, com três exceções, Maranhão e Piauí, no dia 20 e Paraná, 21.

Trata-se de uma salada de frutas, e mostra que o futebol brasileiro faz parte do bloco da Esculhambação Geral.

NOTA 5- HUMILHAÇÃO GERAL 

* Não existe nada mais gratificante para um cidadão, do que andar pelas ruas das cidades com a sua cabeça bem erguida.

Ser respeitado no seio sociedade pelo seu bom comportamento, que na verdade é uma obrigação, é algo que marca para sempre.

Não há maior constrangimento para uma pessoa sai de casa, e é admoestada, vaiada e as vezes agredida com palavras grosseiras.

Tal fato acontece com os envolvidos nos esquemas de corrupção que tomaram conta do país.

Não existe nada mais humilhante para um cidadão não poder sair do seu país, por estar na lista da Interpol.

Esse é o caso de Marco Polo Del Nero, hoje afastado do comando do Circo pela FIFA. 

Tomamos conhecimento através de uma matéria do jornal Folha de São Paulo que o cartola sofreu uma humilhação quando em uma conversa com Alejandro Dominguez, atual presidente da Conmebol, que solicitou para que esse não comparecesse ao jogo final da Copa Sul-Americana, e por incrível que pareça foi atendido.

Para o cartola paraguaio não seria bom para a entidade que Del Nero fosse visto publicamente em um evento da sua responsabilidade.

O fato é que Dominguez é vice-presidente da FIFA e já sabia da punição dada ao cartola brasileiro, que dois dias após o evento foi punido com o afastamento. 

Na verdade, o crime não compensa.

NOTA 6- A PINDAÍBA MINEIRA

* O Cruzeiro foi campeão da Copa do Brasil.

O Atlético-MG conquistou o título mineiro, que não vale muita coisa.

Ambos estão no final do ano abraçados com problemas financeiros, oriundos da bolha que foi formada pela ilusão das luvas dos direitos de transmissão.

O Galo não pagou o 13º mês, e a parte dos direitos de imagem dos atletas referentes ao mês de novembro.

Por outro lado o time Celeste não pagou novembro inteiro, e obvio o 13º salário.

Esse é o retrato de nosso futebol, e a falta de planejamento, que está formando o PINDAÍBA FUTEBOL CLUBE.

Escrito por José Joaquim

NOTA 1- OS DIREITOS DE TV NO MUNDO

* Os valores que as maiores Ligas esportivas do mundo recebem dos contratos dos direitos de transmissão de seus jogos, mostram que vivemos em outro planeta, por conta das diferenças gigantescas com relação ao nosso futebol.

A mais contemplada e que já foi objeto de uma nossa postagem, é a NFL, Liga do Futebol Americano, com R$ 24,0 bilhões.

A seguir:

Premier League- R$ 15 bilhões,

NBA-(Liga do Basketball dos EUA)- R$ 12,5 bilhões,

MLB (Liga de Baseball dos EUA)- R$ 12,1 bilhões,

Esportes Universitários- EUA- R$ 10,1 bilhões,

Champions League- R$ 5,3 bilhões,

Bundesliga- R$ 5,2 bilhões,

NHL (Liga do Hockey-EUA)- R$ 4,5 milhões-

Serie A Italiana- R$ 4,2 bilhões,

La Liga-Espanha- R$ 4,2 bilhões,

Ligue 1- França- R$ 3,0 bilhões.

O que nos impressiona é o valor recebido pela Premier League, como também para Esportes Universitários dos Estados Unidos.

Esse último sem duvida tem uma grande importância nos esportes norte-americanos por ser o celeiro de todas as modalidades.

Quanto a Liga Inglesa o fato é justificável, desde que essa é assistida por 188 países, com um bilhão de residências acompanhando os seus jogos.

As vendas dos direitos de transmissão dessa Liga para outros países representam hoje 49% do total.

NOTA 2- INSANIDADE FUTEBOL CLUBE?

* Um clube brasileiro no atual contexto pode pagar R$ 1 milhão por mês para um jogador?

Essa é uma pergunta que está sendo apresentada nas mídias do Sudeste, pelo tamanho da repercussão do fato.

Nós temos um entendimento que o futebol brasileiro não comporta um salário que não é pago nem de perto aos melhores executivos do país.

Trata-se de um dispêndio bem maior do que alguns jogadores que atuam em clubes europeus recebem. Obvio que esses são bem mais sólidos financeiramente do que os brasileiros.

Essa proposta foi feita pelo Flamengo ao atacante Fred, que ainda está no Atlético-MG, com a idade de 34 anos, e com um 2017 de altos e baixos.

Será que haverá um retorno do investimento nesses dois anos de contrato?

Nos últimos anos, o dirigente mais sensato do nosso futebol foi Paulo Nobre do Palmeiras, que introduziu uma cláusula  diferente nos contratos dos jogadores, quando o item produtividade era a peça principal para o pagamento dos salários, que eram normais, e com bonificações pelas performances.

Deu resultado.

Nenhum clube do Brasil, nem o próprio Flamengo que está bem equilibrado pode pagar um valor salarial dessa magnitude, a não ser que Fred venha a marcar 80 gols na temporada, sem contar os do estadual que não valem nada.

Trata-se de um modelo inflacionário, e que pode originar o chamado efeito cascata, quando os outros componentes do grupo irão também clamar por melhores salários.

O clube da Gávea tem um orçamento aprovado, que não permite aquisições de direitos econômicos de jogadores, desde que está no limite, e não sabemos como conseguirá aumentar a sua folha em R$ 1 milhão com um único atleta, e mesmo assim em fase de final de carreira.

Trata-a da INSANIDADE FUTEBOL CLUBE.

NOTA 3- PÚBLICO NAS PRINCIPAIS LIGAS DO MUNDO

* A Bundesliga encerrou a sua primeira fase, e só retornará no dia 12 de janeiro por conta do inverno rigoroso.

Nessa, foram realizadas 153 partidas, com 6.783.967 pagantes, e uma média de 44.340 torcedores.

Um número gigantesco se comparado com o do Brasileirão, que em 380 jogos, somou 6.020.076 pagantes, com uma média de 15.968.

Imagine o banho de 7x1 quando essa competição chegar ao seu final com os seus 316 encontros. 

O que chama mais a atenção é que a Bundesliga nos últimos anos está sendo praticamente uma competição de um só clube, o Bayern de Munique, que está à frente do segundo colocado, o Schalke, com uma diferença de 11 pontos.

O torcedor alemão gosta do futebol e não apenas dos resultados.

Para uma análise mais consistente, fizemos um levantamento dos públicos de algumas ligas que estão na metade de suas temporadas e os números são acachapantes para o futebol brasileiro.

A Premier League realizou 180 jogos, com um total de pagantes de 6.840.015, com uma média de 38.000 por jogo.

Não chegou à metade e já supera o total brasileiro.

A La Liga da Espanha, realizou 160 jogos, e colocou nos estádios 4.383.220 pagantes, uma média de 27.567 por jogo.

A Liga Série A da Itália, promoveu 168 partidas, com um publico total de 4.986.671, média de 24.937.

A Liga Francesa, que sem duvida é uma das mais fracas entre essas citadas, concretizou 180 jogos de sua temporada, com 3.963.132 torcedores, com uma média de 22.017 pagantes/jogo.

As médias apresentadas por essas Ligas representam de forma bem clara que pertencemos ao segundo escalão do futebol mundial.

O resto é conversa fiada.

NOTA 4- JUSTIÇA CÉLERE

* Enquanto os torcedores organizados dos clubes brasileiros pintam e bordam e raramente são punidos, e continuam a frequentar os nossos estádios de futebol, na Inglaterra um fato que aconteceu há uma semana atrás já foi resolvido com a condenação do agressor.

O homem que proferiu ataques pessoais ao atacante Raheen Sterling do Manchester City, foi condenado no dia de ontem a 16 semanas de prisão, e uma multa de 100 libras, o que equivale a R$ 440,00.

O agressor- Karl Anderson, torcedor do clube rival, Manchester United- admitiu ter cometido um ataque de ódio contra o jogador.

O réu já foi penalizado 26 vezes por outras ofensas, inclusive está proibido de frequentar o Old Trafford por cinco anos devido a uma briga entre torcedores do United e Sheffield em janeiro de 2016. 

Anderson na terça-feira da semana passada, esperou por Sterling na porta do Centro de Treinamentos do City, e o agrediu com quatro pontapés e insultos racistas.

Isso é o que chamamos de Justiça célere, sem foro privilegiado.

São coisas do primeiro mundo. 

NOTA 5- REDUÇÃO DAS FOLHAS SALARIAIS

* Enfim o executivo do futebol do Sport falou.

Um fato tão raro que merece uma comemoração, desde que no período que esse está no cargo poucas vezes tratou dos temas do clube, desde que o presidente não permite.

Na sua entrevista afirmou que o clube iria reduzir em 25% a folha salarial do futebol, fato esse que teria que acontecer desde que o clube não terá o suporte das luvas que foram pagas no ano anterior, por conta do novo contrato do direitos de transmissão.

Em 2018 as cotas voltaram ao patamar anterior, e só em 2019 o modelo de distribuição será alterado, quando 40% do total será dividido de forma igual para todos, 30% pelas performances e 30% pela audiência.

Na verdade pouco  ou nada irá mudar, desde que a maior parte dos recursos serão para os clubes de maior porte que ficam no TOP 10, e sobretudo aqueles que tem maior audiência, desde que os jogos dos menores são transmitidos apenas para os seus locais, e não podem concorrer com os estados com maiores densidades demográficas.

Na temporada que se avizinha, o Sport receberá 35 milhões, em conjunto com o Atlético-PR, Bahia e Vitória.

A Chapecoense terá R$ 32 milhões, e América-MG, Ceará e Paraná, R$ 23 milhões.

Enquanto isso, Flamengo e Corinthians receberão R$ 170 milhões.

A seguir:

São Paulo- R$ 110 milhões,

Palmeiras e Vasco- R$ 100 milhões, 

Santos- R$ 80 milhões,

Atlético-MG, Botafogo, Cruzeiro, Fluminense, Grêmio e Internacional- R$ 60 milhões.

As distorções ajudaram a acabar com o futebol brasileiro.